Agricultura na Internet

Dos últimos eventos internacionais aos quais tenho assistido, parecem emergir dois assuntos que têm muito a ver com a agricultura e o agronegócio no Brasil. O primeiro pode ser enunciado de forma muito simplista com esta frase: os ricos do mundo desenvolvido não estão preocupados com a agricultura; comer e beber não é um problema para eles. Em outras palavras, a agricultura é uma questão pouco relevante do ponto de vista dos grandes negócios. É um assunto de pobres, e portanto, não entra nas agendas dos discursos econômicos privados. É um problema dos governos, cuja função é gastar dinheiro de contribuintes para garantir o abastecimento de todos, venha da onde vier a comida. Claro que por motivos logísticos ou estratégicos, eles defendem a proteção aos agricultores dos mesmos países ricos, até para evitar que estes deixem sua atividade e venham criar problemas sociais nas cidades, ao disputar empregos urbanos Mas o essencial é isto: os ricos gastam tão pequena parcela do seu orçamento para comer que a agricultura não entra na pauta de suas discussões. Daí se entende a vigorosa ação protecionista de seus governos. Ao proteger os agricultores, mesmo à custas de subsídios imensos( pagos gostosamente pelos ricos cidadãos urbanos) , governos asseguram abundância de comida, renda para os produtores rurais, defesa da paisagem e tranquilidade social. As preocupações se transferem então para a qualidade da comida, sua rastreabilidade, a transgenicidade, se é orgânica ou não, etc.. No entanto, toda esta elaborada convicção não nos serve, aos países em desenvolvimento. Para nós, a agricultura emprega grande parte da população economicamente ativa, é parcela prepoderante nas exportações e fator determinante para a ocupação e integridade territorial. Assim, a exclusão do assunto agricultura das agendas privadas dos ricos representa a exclusão social de milhões de agricultores em países como o Brasil. Porque nas negociações internacionais visando a abertura dos mercados agrícolas, a prepotência da riqueza esmaga o anseio da pobreza. Em resumo, os ricos pagam o que for preciso para não ter problemas na área, porque podem pagar. E fim de papo. O segundo ponto instigante é o avanço da INTERNET. Já são recorrentes os discursos sobre a enorme mudança de paradigma que este extraordinário instrumento de comunicação representa. Poucas invenções da era moderna tiveram impacto tão poderoso sobre as transformações do comportamento humano como a INTERNET. Nem o rádio, nem o telefone, nem a televisão se aproximam dos seus efeitos. A informação está disponível para todos. Qualquer pessoa do planeta que tenha acesso a um computador ligado na INTERNET poderá receber informações sobre qualquer assunto. Inimaginável quantidade de informações, para todos. A facilidade para se comunicar, se entender, negociar, barganhar, até namorar, multiplica-se exponencialmente.

Texto de:

Roberto Rodrigues

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License